sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Reflexão Sobre a Prática da Acupuntura

Desde que foi introduzida na Europa e nas Américas, e até que viessem a ser elucidados os mecanismos biológicos dos seus efeitos terapêuticos, a Acupuntura permaneceu à margem da corrente principal da medicina científica. Nessa “terra de ninguém”, floresceu a prática não-regulamentada.

Com as precárias justificativas de se tratar de uma “medicina tradicional” (quer dizer, histórica e etnicamente definida), ou de uma “medicina energética” (portanto, fora do alcance das avaliações científicas), os fatos de efetuar diagnósticos, prescrever e realizar procedimentos invasivos sem ser médico deixaram de ser considerados curandeirismo. Legitimaram, em muitos casos, o exercício ilegal da medicina - como ocorreu nos Estados Unidos da América, em que foi criada uma profissão “médica” independente da medicina científica institucionalizada.

Entretanto, no estágio atual de evolução dos conhecimentos biológicos e da investigação clínica da Acupuntura Médica Contemporânea, o problema da prática leiga pode ser mais simples e claramente equacionado.

A Acupuntura Médica se define como um método terapêutico cujo território é o sistema nervoso, e visa produzir mudanças funcionais de repercussão local e/ou sistêmica, com os objetivos de restaurar a normalidade fisiológica, e produzir analgesia nas condições dolorosas. Fundamenta-se em dados biológicos – anatômicos, fisiológicos e fisiopatológicos, assim como nas melhores evidências clínicas disponíveis.

Distingue-se dos modelos não-médicos, que têm por base teorias como a da medicina tradicional chinesa ou outras, antigas ou novas, que têm em comum a falta de sustentação científica.

Sistemas pseudocientíficos, que desprezam ou ignoram os fatos biológicos (infinitamente mais interessantes e promissores do que a mais bem estruturada das teorias esotéricas) são adotados pelas pessoas ou instituições que fornecem ensino de uma “profissão” (cujo nome na verdade descreve um procedimento). Mas os médicos têm compromissos diferentes, não precisariam se preocupar com esse tipo de prática, desde que (o que é suficiente) deixassem claro que há uma diferença radical com relação à Acupuntura Médica Contemporânea (Neurobiológica, ou Neurocientífica, ou Neurofuncional).

Assim, tanto os pacientes, quanto os meios médicos e acadêmicos, quanto os legisladores e os magistrados, conscientes da diferença, poderão tomar decisões e fazer julgamentos, informados.

Caso semelhante ocorre com a prescrição leiga de homeopatia e fitoterápicos, as curas milagrosas. Todos sabem que ao usar esses meios, não dispõem das garantias mínimas de eficácia e segurança, pressupostas quando se procura um serviço médico.

Além disso, a eficácia dos tratamentos baseados na aplicação de teorias não-médicas, conforme sólidas demonstrações já realizadas, dá resultados inferiores com relação à aplicação de princípios biológicos conhecidos, ou se iguala ao efeito-placebo.

Cabe aos médicos focalizarem sua atenção na expansão da base de conhecimentos e na promoção do aperfeiçoamento técnico da especialidade, realizar pesquisa e publicar, e permitir que os fatos falem por si.

4 comentários:

Alessandro disse...

Não pretendo, com esse comentário, fomentar qualquer tipo de discussão sobre quem pode ou não pode praticar a acupuntura, mas como acupunturista não-médico (sou enfermeiro), acredito que o conhecimento, justamente por não ser exclusividade de nenhuma categoria profissional, deve ser disponibilizado para quem o querer aprender. Claro que com algumas ressalvas, como por exemplo, a pessoa que se dispõe a estudar a acupuntura tenha uma formação em nível superior, emq ualquer curso da área de saúde, se não concordo que realmente vai virar uma bagunça. Conheço muitos médicos acupunturistas e muitos acupunturistas não médicos e posso afirmar com toda a certeza que existe péssimos acupunturistas nos dois grupos, como também existem excelentes acupunturistas nos dois grupos, e pela pouca experiência que tenho na área (10 anos), posso afirmar apenas o seguinte: os melhores acupuntirstas que eu já encontrei pelas andanças mundo afora (inclusive três vezes na China), são aqueles que seguem o sistema tradicional, regido pela influência taoista, e não os que querem resultados pela luz da ciência. Deixo aqui também meus parabéns pelo blog, pois contém informações muito interessantes.

Norton Moritz Carneiro disse...

Prezado Alessandro
Do meu ponto de vista há, presentemente, duas questões fundamentais em torno da prática da Acupuntura, que acredito virão a ser resolvidas num futuro próximo.
Uma é a definição de quem está ou não habilitado a exercer a medicina, atividade que implica em diagnosticar a condição clínica do paciente (um direito fundamental do cidadão, fundamental para a garantia da sua integridade sanitária), prescrever e aplicar procedimentos terapêuticos (no caso da Acupuntura usando instrumentos perfurantes e, portanto, cirúrgicos). Essa questão envolve as leis vigentes no país sobre o exercício da medicina, e os estatutos que regulamentam cada profissão da área da saúde.
Outra – que entendo ser crucial, é a da definição do que é Acupuntura. Esse aspecto é fundamental, porque dele derivam os problemas relacionados com a regulamentação da prática. A questão fica mais bem equacionada quando se distingue a existência de dois modelos distintos de Acupuntura, um milenar, pré-científico e de base étnica, e outro contemporâneo, supra-étnico e de base científica. Feita essa distinção, os pacientes, podem escolher, informados da existência de modelos diferentes, o método e o terapeuta que preferem.
Enquanto prescinde das disciplinas básicas que dão suporte à medicina, sustentada por doutrinas que têm sido transmitidas por organismos estatais e privados, a prática da Acupuntura não é considerada, por muitos juristas, legisladores e dirigentes de órgãos públicos, assim como pela população em geral, como uma atividade médica, o que é compreensível.
Ao contrário, ficando claro que a Acupuntura Médica Contemporânea preenche critérios de compatibilidade com as exigências atuais de evidências biológicas e clínicas, sendo a sua prática regida estritamente por dados anatômicos e fisiológicos, as dúvidas se reduzem ou mesmo desaparecem.

mario fialho disse...

Muito bom o seu artigo, poderia sugerir alguma fonte de estudo de acupuntura médica? Pelo que sei não há qualquer evidência científica de que acupuntura funcione.

Norton Moritz Carneiro disse...

Olá Mario

Recomendo "Medical acupuncture: a Western scientific approach
- Jacqueline Filshie, Adrian White". Está traduizido para o português

http://books.google.com.br/books?id=rrzZb9K6QWIC&pg=PA413&lpg=PA413&dq=filshie+medical+acupncture&source=bl&ots=zF2QbUfxQB&sig=L97tLAY13baXcF6BN1FyHD8uB7A&hl=pt-BR&ei=N4eTSsXcA5WtlAfg8KWwDA&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=2#v=onepage&q=&f=false